O limite entre a normalidade e o transtorno

Como distinguir uma inquietude natural de um transtorno neurológico?

0

Na infância, todos gostam de brincar, correr, pular, gritar. Alguns fazem birras, não respeitam as pessoas e são indisciplinados. Ainda que não desejáveis, esses comportamentos são normais. O limite do que é natural e o que é psíquico está na frequência e intensidade dessas atitudes.

É preciso observar e acompanhar a vida da criança por pelo menos seis meses para fazer um diagnóstico. Fatos traumáticos, como a separação dos pais ou morte de ente querido, podem gerar mudanças importantes no comportamento, ainda que temporárias. O transtorno só se manifesta mesmo quando esse hábito passa a atrapalhar os relacionamentos com amigos e o desenvolvimento escolar. Só um profissional de saúde tem condições de fazer uma avaliação.

Muitas crianças e adolescentes têm dificuldades de aprendizagem, mas pouquíssimas têm déficit de aprendizagem, uma síndrome que não precisa necessariamente do uso de medicamento. Nos casos mais graves, anfetaminas são os remédios mais recomendados para diminuir a falta de atenção e a agitação. As anfetaminas agem em uma área muito delicada: o sistema nervoso central.

Apesar de sua eficácia, os remédios não são a salvação para todos os males da vida. As crianças e os adolescentes precisam de acolhimento e atenção. Nem todos agitados ou com dificuldades escolares têm algum tipo de transtorno.

Os principais sintomas do transtorno do déficit de atenção, hiperatividade e impulsividade (TDAH) são: esquecer objetos com muita frequência, falar excessivamente, distrair-se com facilidade e ter extrema dificuldade de organização e na relação social. O cérebro recebe todos os estímulos do ambiente, mas é incapaz de focar e selecionar. O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade são distúrbios que podem surgir nos primeiros anos de vida.

Nunca é demais lembrar que cada criança é única em seu desenvolvimento e depende dos estímulos recebidos. É importante os pais e a escola, em parceria, investigarem desde cedo a frequência e intensidade de tais comportamentos e buscarem um outro “olhar” que não seja pedagógico, para contribuir com as possibilidades da criança.

 171 total views,  117 views today

(Visitado11 vezes, 3 visitas hoje)

The following two tabs change content below.
Regina Marques

Regina Marques

Regina Marques Gonçalves é carioca, pedagoga, orientadora educacional em instituição escolar. Trabalha na área de educação a trinta e dois anos. Neuropedagoga, pós graduada em neurociência pela ( UCAM). Conhece os mecanismos do sistema nervoso central (SNC) e suas funções e conexões cerebrais na biologia do aprendizado do aluno. Especialista em (TEA) ou seja pós graduada em Transtorno do Espectro do Autismo pela (CENSUPERG). Ministra aula sobre a disciplina: Biologia cerebral e Autismo pelo Instituto Superior Sinapses (Polo RJ) Saquarema, Del Castilho e Mesquita no curso de pós graduação em Psicopedagogia e Neuropsicopedagogia. Pesquisadora independente da pedagogia de Waldorf e Saúde Mental. Orienta o Programa Educacional Individualizado em Instituição Escolar (PEI). São objetivos sociais, acadêmicos e comportamentais que precisam ser adaptados para o aluno.
05-04-2021 |

Deixe uma resposta

Todos os direitos reservados Utilità, Mantido por RT Soluções.
Pular para a barra de ferramentas