7 coisas que as empresas podem fazer para dar certo em 2020

0

Foto: Visual Hunt

 

O fim de 2019, como todos os anos, vem marcado pelas desgraças apontadas nas retrospectivas: tragédias ambientais (naturais ou provocadas pela ação irresponsável do homem), crises políticas mundiais ou locais e um mercado econômico mundial e brasileiro cheios de problemáticas. Mas eu não sou muito a favor de olhar para trás se for só para ver o que deu errado. A nossa agricultura cresceu em 2019, as empresas de tecnologia no Brasil, em sua maioria, cresceram dois dígitos, empresas reformaram suas estruturas e ficaram enxutas se preparando para crescer, a área médica hospitalar no Brasil esteve em expansão física, bem como houve um foco de melhoria expressiva em seu modo de atender no que se refere aos grandes centros. Apesar das evoluções, mesmo nos campos onde houve melhorias, ainda há muito para evoluirmos.

Quando mudamos o ano, em um ritual feito por grande parte das pessoas que passam a virada da meia noite nas praias brasileiras, o ato de pular sete ondas e pensar positivamente sobre boas coisas para o futuro, aquilo que desejamos e que esperamos trabalhar para que ocorra nos levando ao “ano bom” é uma receita que nem sabemos se dá certo, mas ritual não se discute muito. De certo mesmo, apresentamos aqui uma lista que não falha quando aplicada em empresas e corporações que buscam o sucesso. Confira a lista!

7 coisas para 2020 dar certo.

1 – Investir em educação. Vamos começar pela nossa mesma: saber mais e aprender mais te dá mais chances de ir além em 2020. As empresas que investirem mais em educação terão funcionários mais preparados para lidar com as inovações necessárias ao bom ano. Os governos federais, estaduais e municipais que apoiarem a educação farão uma base para irmos além de 2020. E não valem promessas de campanha, valem as ações reais percebidas neste novo ano.

2 – Mudar a cultura. Se pararmos de choramingar as pequenas derrotas podemos olhar para as pequenas vitórias, um pouco de esforço não faz mal a ninguém na hora de ser otimista. As empresas que trouxerem mais empreendedorismo, mais força de participação dos colaboradores nos resultados em locais com melhores climas para se trabalhar vão sair na frente, apesar de esta ser uma tarefa árdua é preciso começar já neste novo ano. Chega de empresas estatais ineficientes, de um estado gigante entregando baixos resultados a população, uma cultura de excelência e eficiência do estado precisa ser iniciada já para colhermos frutos em cinco ou dez anos.

3 – Mente sã em corpo são. Cuidar do nosso estresse e de nossa saúde física são fundamentais para lidar com bons anos em nossas vidas. Nenhum ano é bom com você estressado e cansado fisicamente. As empresas que têm uma liderança mais equilibrada emocionalmente obtêm até 30% de resultados melhores, as lideranças que cuidam de sua saúde física têm até 70% de chance de passar por situações difíceis de maneira mais simples. Governantes desequilibrados, sejam de direita ou de esquerda, não ajudam em nada o país. A virtude está no meio, não existe nada de bom na polarização e radicalização que nos ajude neste novo ano a fazerem as coisas melhores para todos.

4 – A fé não costuma falhar. Quem anda mais conectado a uma fé, seja qual for, tem mais chance de se sentir melhor com os desafios. Um pouco de paz mental não faz mal, acalmar o espírito interior pode nos fazer ver as coisas com mais clareza, mesmo em momentos difíceis. As empresas mais conectadas a valores humanos, à ética e à responsabilidade com o futuro da sociedade têm índices de rentabilidade maiores do que as que não têm. A sociedade governada sem valores humanos, sem respeito e dignidade para com os outros não pode prosperar. Inclusão e fomento à liberdade de empreender dão a conta da dignidade ao cidadão.

5 – A minha responsabilidade é fundamental. É preciso demonstrar aos nossos filhos e liderados que somos os responsáveis pelas nossas escolhas e decisões. Sermos capazes de perceber que não é culpa do outro se as coisas não vão bem é sim, em grande parte, nossa responsabilidade para tomar melhores decisões e ter melhores ações. As empresas baseadas na liberdade das pessoas serem mais responsáveis em todos os níveis têm um ambiente mais sólido para evoluir neste ano novo. Os governantes, em todas as suas esferas de poder, precisam saber que são responsáveis, e não só eles. Um povo sem responsabilidade, líderes políticos sem responsabilidade e governantes sem responsabilidade não podem criar nenhum ano bom sequer. A liberdade baseada no empreendedorismo e nas responsabilidades individuais com o coletivo leva todos mais longe.

6 – Juntos somos mais fortes. Já sabemos que é na colaboração que podemos moldar um futuro melhor para todos. Ninguém pode ser suficiente em si mesmo.  Com quem podemos contar? Quem irá nos ajudar? Com quem devemos trabalhar juntos? Um bom ano tem que alcançar os grupos, as famílias e a sociedade. Empresas que esperam um bom ano precisam de um ambiente colaborativo em todos os níveis. Mais que uma competência de indivíduos e de líderes, as empresas precisam de um modelo de ambiente que favoreça o “estar junto” e colaboração, precisam acabar com silos e egocentrismos. Na política essa é uma missão para muitos anos ainda: governar para os interesses do coletivo e não dos próprios interesses parece estar longe de se tornar uma realidade. Para 2020 é possível nas eleições municipais estarmos atentos aos discursos e à pessoa que o fará para enxergar se temos algo de bom a nos aguardar.

7 – Liberdade do passado. Quando estamos presos em tudo que nos pareceu dor, não podemos olhar com otimismo para o futuro. O que passou, passou! Se o ano anterior deixou aprendizados dolorosos, é preciso se libertar dessa dor. O futuro se constrói com o que é novo, a nova semente plantada e que irá brotar conforme você possa regá-la e cuidá-la. Nos ambientes empresariais, a capacidade de renovar-se mais rapidamente do que outros lhe indica uma capacidade de ir além chegando em novos patamares de resultados e de negócios. Na sociedade, a liberdade estimulada para o povo liberto de discurso passado leva a evolução para uma melhor condição de existência. Criar nosso modo sem copiar o que já se passou é um bom modo de abrir a discussão. Quem sabe num bom ano se possa aumentar o diálogo.

Espero que cada um possa pelo menos estabelecer a sua parte nesses sete desejos. Me parece que se cada um evoluir, o todo poderá se beneficiar. Que seja um 2020 mais consciente de quem precisamos ser. Contem comigo para exercer minha força de transformação e ajudar a vida das pessoas a serem mais felizes.

 244 total views,  2 views today

(Visitado31 vezes, 1 visitas hoje)

The following two tabs change content below.
Celso Braga

Celso Braga

Sócio-diretor do Grupo Bridge, Psicólogo e Mestre em Educação, pós-graduado em Psicodrama Sócio Educacional pela ABPS, Professor supervisor pela FEBRAP. Acumula experiência de mais de 25 anos em desenvolvimento humano e projetos de conexões educacionais e inovação. É autor dos livros ‘A Jornada Ôntica’ (2013), ‘O Hólon da Liderança’ (2015), ‘Inovação: diálogos sobre a prática’ (2016), ‘Inovação: diálogos sobre colaboração produtiva’ (2017), A Magia dos Sentimentos: 27 emoções para transformar sua vida e em 2019 lançou os livros em versão digital; Lifelong Learning - Aprender para a Vida e Empowerment, uma liderança que inspira. Celso Braga é coautor do livro ‘Educação para Excelência’ (2010).
Celso Braga

Latest posts by Celso Braga (see all)

04-02-2020 |

Deixe uma resposta

Todos os direitos reservados Utilità, Mantido por RT Soluções.
Pular para a barra de ferramentas