Autismo, a construção de um currículo vivo do dia a dia – parte 1

0
rosa-interna cópia

Foto: MorgueFile

Entender de que forma uma mãe se sente quando recebe do médico o diagnostico de que seu filho é autista, quando se sente fragilizada e sem chão, é compreensivo. O processo de luto, da não aceitação dessa condição de vida desse filho acolhido e esperado durante o processo de nove meses, desencadeia uma rejeição que muitas vezes coloca a mãe em luto, sem que a mesma ou o pai ou até mesmo a família inteira perceba. Durante esse período, essa criança vai sofrendo consequências irreparáveis e frequentemente leva a destruição desse lar, que deveria ser acolhedor, prazeroso e saudável, favorecendo dinâmicas comprometedoras a esse sujeito, que muitas vezes ainda não construiu uma voz própria, não foi visto para que pudesse se reconhecer, sem a construção de sua identidade. Sabemos que os médicos indicam os terapeutas e os medicamentos, a confiança é total, por conta do estado de fragilidade que todos se encontram, e tudo o que eles dizem acaba sendo lei para essa família, mas as questões do dia a dia se aprendem, sem saber como e por onde começar.

Devemos ressaltar que ninguém ainda sabe ao certo e de forma indiscutível o que é autismo. Quando se adota a sempre válida recomendação de Leo Kanner sobre a necessidade de humildade e cautela diante do tema, conclui-se que compreender o autismo exige uma constante aprendizagem. Então vamos a algumas dicas que possam ajudar e favorecer um ambiente mais saudável, de qualidade e feliz. A primeira dica é buscar a aceitação, procurando ajuda, e não se permitindo permanecer no luto, podendo fazer o dia a dia dessa criança ser melhor.

A segunda seria verificar a questão do atraso na fala, que sempre é o primeiro alerta, busque um profissional que entenda de comunicação alternativa, saiba trabalhar com Pechs, ABA, entre outros recursos de comunicação visual. É um método em que a criança apresenta a figura e é recompensada, fazendo a mesma perceber a necessidade de se comunicar. Ela não irá falar de imediato, precisando entender a importância da comunicação e, aos poucos, vai querendo se comunicar. O importante é ajudar para que ela possa construir uma voz, uma comunicação que lhe atenda, muitos desses comportamentos agressivos acontecem porque esse sujeito não consegue se expressar, o que é muito frustrante e desesperador, promovendo a agressividade. Desenvolver a comunicação, dando a ele a possibilidade de construir uma voz, é superimportante. Saliento que os pontos apresentados permitem, ainda, pensar sobre a importante distinção entre os conceitos de linguagem, comunicação e fala.

A terceira dica é manter-se sempre atualizado, buscar informações com cursos, palestras, e procurar alguns grupos para fazer parte, dialogar, se manter informado; isso impedirá que você pule alguma etapa desse processo, não tem como passar pela situação sozinha, não damos conta sozinho, e isso não é inteligente ou sadio.

A quarta dica: verificar a parte orgânica do seu filho; alimentação não deve ser desconsiderada, os autistas às vezes têm intolerância a algum alimento, que, quando ingerido, pode provocar desconforto intestinal. Verificar essa possibilidade e descartá-la seria ótimo.

A quinta dica: os profissionais que seu anjo precisa no momento devem ser indicados por um especialista. Um único profissional não dará conta sozinho. Verificar a relação da criança com o terapeuta ou os terapeutas é muito importante, deve-se perceber como ele se comporta diante do espaço, qual é sua aceitação em relação ao profissional e à construção dessa relação, se chora quando entra ou se não apresenta um comportamento de prazer, num período de mais de quatro meses, então alguma coisa não vai bem.

(continua…)

1,242 total views, 1 views today

(Visitado115 vezes, 1 visitas hoje)

The following two tabs change content below.
Rosangela Paris

Rosangela Paris

Rosangela Paris/ Pedagoga. Especialização em Psicopedagogia Institucional e Clínica/ Neuropedagoga  - abpp - 1178. Especialização em Neurociência Aplicada a Aprendizagem pela UFRJ – Mediadora do TJRJ. Para atendimento clínico, contato: (21) 96925-2069.
12-01-2016 |

Deixe uma resposta

Todos os direitos reservados Utilità, Mantido por RT Soluções.
Pular para a barra de ferramentas